Radio A Toa

segunda-feira, dezembro 22, 2014

Sem pink floyd!


me casse o verbo,
nega-me a falácia
pronto nasceu um poeta
de boca torta com o vicio do cachimbo,

artrites congestionantes,

de novo me veria como imaginei

e o futuro que nem sei se desejei.
assim previno luzes enigmaticas


ou, ofensas alheias

respeito e calo,

Viro as costas
e caio no mundo!

sábado, junho 07, 2014

domingo, maio 25, 2014

Verdade ou Mentira?

Seria verdade ou mentira? Aquela candura no olhar? Aquela mansa voz? Seria verdade ou mentira? Um jeito de ser para ser? Ou um jeito de ser por já ser? Seria verdade ou mentira? O que há por trás daquela face plácida? Ah! Mas se colocamos o olhar mais fundo, saltam marcas de uma certa impaciência, de uma certa incontinência com a civilização...Seria verdade ou mentira? Aquela disposição insone, aqueles gestos repletos, gentis? Seria verdade? Mentira? Quem são elas de fato? Ambas apenas um disfarce, posto que verdade mentirosa e mentira verdadeira casam tão bem! Mas por que perguntar sempre? Seria verdade ou mentira? O desejo de fazer brotar amor nos olhos como verdade? Verdade ou mentira? E também plantar ódio contra fatos horrendos? Cambiamos nós depois fatalmente por verdades mortas , nada mais que mentiras. Cambiamos por entre mentiras nascentes, que colam tão bem como verdades.

segunda-feira, maio 19, 2014



Quisera ser poeta,
falar de coisas que encantassem
entre virgulas e pontos duvidosos,
palavras que extraíssem do surreal
o sentido da paixão.
Mas além de mim,
o que ainda não sei,
me propõe uma realidade distante
das fantasias que cercam os versos
e calam cada pedaço do corpo
que insisto negar à poesia.
Assim, só resta
o lamento, o exílio proposto
pela negação da arte
que forma os artistas,
os quais se sobrepõem
em um perigoso culto de personalidade
a assassinar o próprio sentido da arte,
sendo assim nego a inspiração
e calo, diante da musa
vulgarmente cultuada.