Radio A Toa

segunda-feira, dezembro 26, 2011

"Unverbal"



Não entendo porque
tantas vezes
falamos tanto,
e não dizemos nada.

Nem sei porque
tanta falácia para
tão pouco.
todos comentam sobre...

o que o mundo precisa
eu entendo que
não cabe na minha mão.
um cantor legal ou
uma umbanda kaótica!
- feeding will ?

uma nova ordem ou,
algo letal te te jogue...
definitivamente no lixo.
me diga o que,
estamos precisando.
ou resolva se calar!

Se calar?
rest in peace!

domingo, dezembro 25, 2011

Verbal


Talvez assim
lhe contaria
algumas mentiras
sobre o que sou.

e o que imagino ser
histórias longas
com finais faraônicos
mentiras adolescentes.


Causos à toa
gente assim comum como eu
como nós no verbo singular
outro em segunda pessoa.

Quem sabe
em terceira
na condição
de parceira..

Diverso que não leva
a nada.
senão a si mesmo
Narciso na certa;

e eu aqui ouvindo
segundas opiniões
de "certas vozes"
na cabeça!

sábado, dezembro 24, 2011

Feliz Natal!


"Senhor!
No silêncio desta prece
Venho pedir-te a paz, a sabedoria, a força.
Quero sempre olhar o mundo
Com os olhos cheios de amor.
Quero ser paciente, compreensivo, prudente
Quero ver além das aparências
Teus filhos, meus irmãos, como Tu vês
E assim, Senhor, ver somente o bem
em cada um deles.
Fecha os meus ouvidos a todas as calúnias
Guarda minha língua de todas as maldades
Para que só de bençãos se encha minh`alma
Que eu seja tão bom e tão alegre,
Que todos aqueles que se aproximem de mim
Sintam a Tua presença
Reveste-me da Tua Beleza, Senhor,
E que no decurso deste dia, eu Te revele a todos".
(prece de Ali-Omar)
Feliz Natal Pessoas!

Muita Paz,
Luz,
Harmonia
e
Esperança.


terça-feira, dezembro 20, 2011

Uma Possível Celebração


Uma celebração interessante pode acontecer
dia primeiro na KFK,
pois é só vai tocar sons dos ouvintes,
interessante a possibilidade de
segmentação da proposta
 é musica para não acabar mais o dia inteiro só
vocês para a gente ouvir!

Participe.

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Nós sujeitos do desejo



Nós pessoas!

Fazemos as nossas próprias escolhas,

Por mais que doa,

Ou nos delicie a alma,

Somos sujeitos do desejo.

Não há questão,

Mesmo na contra mão,

Existe o momento, a opção.

Caminhamos assim,

No dito, no feito,

Como sujeitos e donos de si.

Somos imperfeitos,

Mal acabados e enjambrados,

Suficientes e inertes,

Dentro do próprio desejo.

Até que a morte nos carregue,

Plenos de nada,

Nada a declarar.


Pois eu,

quinta-feira, dezembro 08, 2011

O amor é vermelho


Eu te amo
E não sei mais o que.
A questão do amor
Se faz instante,
No momento exato do ato.
No fato de ser uno,
No contexto do meu ser,
Simples, trivial e dramático.
Se é drama eu me acabo,
Se é love eu me entrego,
Se é eterno eu morro,
Aos poucos - só pra ser pre.texto
E ponto.

sábado, dezembro 03, 2011

Elvis Presley Live - My Way

Segunda escolha

o que vem daqui
não é qq coisa para
decepiciona-lo ou,
faze-lo mais amigavel
qq coisa estranha
que lhe diga:
- passe d'aqui!

Dito assim
nada se fara
castanha do para
contra a depressão.

De manhã contemplando o prato
de granola...
tenho que sair
catar os grãos.

Subserviente se faz
a monotonia,,,
do dia a dia,
morning milk
meat balls to
dinner...
prato à prato

sei lá mais o quê!

digo. mais nada
e acabo.

sexta-feira, dezembro 02, 2011

deus ibi est



Aquela peste
não passou no teste
ficou frente a frente
e não conseguiu ser o narrador.

logo, passou à ouvinte,
vitima do acinte
sem nada;
p'ra assuntar.

talvez amanhã
lhe venha melhor resposta
a este passado.
aliáis!
essas respostas
são sempre mais sensatas
do que o obscuro presente
e, a nossa falta de respostas.

Saberia eu,
se não soubesse
ou se quizesse esquecer!
De vez.

Falta verbo
sobra excesso.
falta vírgula,
sobra, ponto.

Mero ouvinte
propositalmente,
Tropicalista.
Raios nos partam.

quarta-feira, novembro 30, 2011

Thin Lizzy - Bad Reputation




You got a bad reputation
That's the word out on the town
It gives a certain fascination
But it can only bring you down

You better turn yourself around
Turn yourself around
Turn it upside down
Turn yourself around

You had bad breaks well that's tough luck
You play too hard too much rough stuff
You're too sly so cold
That bad reputation has made you old

Turn yourself around
Turn yourself around
Turn it upside down
Turn yourself around

quarta-feira, novembro 23, 2011

Colonialismo



Vou mandar informação
pelo plug.
mandar ver na,
ação da contradição.

Um dissidente aqui
outro ali,
assim vamos evaporando
na entropia Kaótica.

Senão, o que dizer
no meio de tanta
palavras e,
possibilidades de frases?

me disperso
no meio da oferta.
não me ofereço,
não faço.

me mereço!

aos poucos
vou olhando em volta
e, passo à passo
tomo atitudes.

enquanto pagavamos
os colonialistas
faziam a farra
novamente,
cobram da gente!

Sem eco, reclamam os ricos de
pagarem a conta. creio que se,
em homenagem as futuras gerações,
elas, então sejam pagas agora!

Mas, em ressalva
sempre dizem os pesquisadores
alguem deverá pagar,
nem que seja em moeda podre.

Sendo assim
nada digo ou ouso crer,
senão no que ainda
não sei ler.

domingo, novembro 20, 2011

Sacolão e 'selvageria'

Foi inaugurada a grande festa da bicharada, da selvageria. Basta ires a um sacolão da rede ABC em alguns recantos da leste Belo Horizontina e terá a seu dispor um perfeito laboratório para estudos de antropologia, sociologia e filosofia. Expresso-me deste lugar, de dentro, e não de quem espreita uma vitrine.

Na superfície, são verduras, legumes, frutas e alguns congêneres embalados para alimentar alguns humanos, a maioria. Por não terem o privilégio de freqüentar as redes multinacionais de gôndolas bem organizadas e corredores bem apropriados para a circulação de gente, tudo muito bem dimensionado no estilo pague mais e tenha conforto, civilidade; eles se esfregam, acotovelam-se e trombam na faminta ordem do salve-se quem puder, pegue quem puder, quem suportar as incivilidades por alguns alimentos a R$0,79 ou R$0,99 o quilo.

Fundaram essas alternativas de venda de hortifrutigranjeiros supostamente mais econômicas a servir os ‘populares’, a servir também a classe média trabalhadora que economiza para gozar um pouco de lazer ou entretenimento nos intervalos laborais. ‘Tá barato, é pacabá’, grita ao fim do expediente o carregador-funcionário, resfestalando-se daquela disputa ‘inumana’ para alimentar o corpo, porque a alma gentil, cooperativa, já há muito se perdeu.

A logística se resume em algumas estratégias ‘curiosas’. Primeiro as prateleiras gigantescas para caber o excesso armazenado, para caber também os deteriorados a contaminar a vizinhança, mas principalmente para gerar o famoso excedente quantidade, porém, de qualidade duvidosa. Segundo, os espaços reduzidos a subsumir o poder de escolha, a gerar as desavenças na filas. Depois, as lixeiras abarrotadas de ‘estragados’, acuados pelo volume e pelo alto preço.

O excesso de gente faz o mesmo, é multidão insana em um processo de contaminação incontrolável. Por uma ilusão de preço baixo em troca de um saco de alimento, manifesta a sua ação irrefletida, manifesta seu despreparo diante dos processos tão bem criados de alienação, sobrevive e se debate a despeito da educação, do respeito pelo outro. Então o lado bicho e primitivo aflora, mas não para a caça ou a coleta daquilo que a natureza oferece e o instinto submete, mas para a coleta artificial, forjada no capital.

sábado, novembro 19, 2011

Nina's day final cut


Qualquer Bobagem




Berço atômico
lembranças de hiroshima
novo dia
depois do radio ativo!

Febre amarela
tremendo o corpo
blue felling's
new year yesterday.

besteiras assim
overloaded and
underpayd.
musica ativa a alma

silencio cala a boca
rouba a frase
impede o fluxo
do conhecer

Recria a mesma frase
numa outra manhã
dias depois
deixa gente a divagar....

no romance.

não que me falte
palavra. mas, cinco
é o quinto dos infernos
reconstrução da frase.

versar fluido como àgua de;
chuva ácida corroendo
os rios da vida

Talvez nem me atreva a frase
só para que sua boca se cale
depois falo de novo
contando, piada.

Podre, bem porca
amatoriale
em língua,
italiana.

Me parece bem lógica
toda essa Besteira.
diria qualquer um coberto
em dúvidas!

Diria, outro...!?
querendo,
se livrar
do flagrante.

Cruz credo!
diriam
os pseudos aflitos
aos dogmas ativos.

Seria uma flor
o sorriso de moça
a mãe mais bela pelo
precender e o oferecer

sei la se assim
crio epopeias
maldizeres
à bocas benevolences

de manhã
talvez sorria e arrote no azedo
o cabo do guarda chuva
quem sabe seu cachorro me lambeu a cara
e todos tenhamos achado craça disso!

Quem sabe a palavara
seja mais sagaz que o parecer
quem sabe o verso é só,
babaquice de quem pretende.

Como sempre!
Sabe-se lá!

Dia de Nina á noite!..Luv u!


Is Nina's Day



sexta-feira, novembro 18, 2011

Antropofagia...amanhã é dia de nina!


Por teimosia
desenho qualquer
alegoria,
por alegria,
será? que você ia?

Aonde?
me perguntaria.
sei lá, eu diria!
nem sei se hoje é o dia!

Peço à vc
que sorria,
liberte-se
antes que tardia!

meio dia ainda
não comi nada
o que me sugeriria
ao regalo da fastia.

Mas é certo
se não fosse,
alguem à esperar
ficaria.

Se o verbo
não estivesse?
o que seria?
Algo que salve o dia!

cenas, vagas
num caranaval
de porcarias e
Pornografia!

outras vezes
coisas tão inocentes
que nem você
acreditaria.

Talvez eu e você
comendo juntos
recriando dias
de folia.

Toxic





quarta-feira, novembro 16, 2011

à Toas!


Vc que me atura,
todos os dias
um dia vai dizer até mais,
Kamarada!

Novos ventos soprarão ao acaso
outras vezes às
peretenções parnasianas,
tem poeta de qualquer modo!

Outra vez diria, assim
à pretensão literária,
á moral estetética;
- Foda-se....


Outras vezes, faria
versos sobre versos
num incansável palavrear
na péssima gramática
aos revisores,
quase imbecil aos letrados...

mosca na sopa
daquele que, não quer
ser incomodado!
meia hora antes do almoço!

Depois disto,
estética, maré alcalina
e falsa oxigenação,
testada no monitor!

e, "fuck!"
o resto,
que resta!

terça-feira, novembro 01, 2011

Hairstyles'n'atitudes..(justkiding!!!junk mix#33....{PAIN IN ANY LANGUAGE!}



A tensão escorre pela pele feito a concentração dos jogadores justificando o vicio como um fogo que escorre dos céus de brigadeiro, e, enganam os radares, pregam peças nos controladores de voo...we realy had a blackout...loose the sense, feito chuva magnética descarregada pelo sol, enquanto enfrentamos a fila dos mendigos para cortar os cabelos e comer um prato de sopa feita com o resto do entreposto local, and ear the lord words....enquanto afirmamos estar tudo bem.....na verdade esta tudo uma merda, feito desenganado de doença terminal overdosado de analgésicos, pouco ligando para o inferno pessoal que pós-supoem o desligamento do cordão de prata que mantem o corpo ligado a materia enquanto entramos em estado de frigidez morbida.....crying for chocolate and serotonnine.......folhetins suburbanos tentam disfarçar a tragédia mexicana enlatada do dia a dia enquanto em casa exaustos nos despimos dos encantos que pretedemos lançar aos olhos de quem fantasiosamente pretendemos seduzir seja namorada ou namorado comprometido com a postura de seriedade esperada de cada um de nós, mascaras de nossa devassidão...certezas poligamicas......infelicidade feminina.....a servent of servants......obrigadas a pintarem as unhas e a decorarem os lábios num falso jogo de beleza e exterminio emocional......who needs ya?......when shes washing the children's swaddles...sufferin' for a feeling.....cachorra de boca esperando uma dose a mais alem daquela inserida anus adentro feito supositório anestésico pré rape.....presupondo o enrolar da lingua nas macas do ambulatório com os braços espetados por seringas que conduzirão a glicose e os remedios regeneradores dos espasmos vitais...hellraiser...soon or later u feel this feels......batalhando feito louco por um cigarrinho de palha pelas esquinas de um suburbio sem favelas cheio de aeroportos e aviões de carreira......searchin' for some after midnight...trying a remedy to cure a pain in any language...overdosed for something u don't kwon why......duro esperando q alguém lhe faça uma presença......para q volte-mos para casa e livrarmo-nos do pesadelo das abstinencias e dos mensageiros que ladinamente nos negam os informes das missões q sequer tentaram cumprir.........in a perpetual motion again....do u belive that had life'n'happiness in this side???..sentimentos q só adictos podem compartilhar in a junkyard of a terapias de grupo nos grupos de NA, q ploriferam por ai tentando livrar nos do q pressupõem-se; miséria emocional.....e compartilhar com parentes treinados a não sucubirem com a desgraça pessoal da sobrecarga de serotoninas e endorfinas......vicious u hurt me with a flower...oh! honey you're so vicious..the summer dresse's your desire...feito os cristais que coletamos no tecidos do bolso para nos aliviarmo-nos das dores e das cãimbras indigentes.....e de nossas veias impregnadas por bocas sedentas of a diary sting......descartaveis ou compartilhadas pouco importa somos suicidas...dissidentes da vida carentes de morte....mórbidos em desejos...inconfessaveis em realidades.....tão afinados com a crueza da realidade que calariamos facilmente o mais afetado dos materialistas.......tal a crueza de nossa adquirida doença.....e a vastidão de nossos prazeres.......the rich junk stay alive...quase que à margem da doença q impele-nos a nevagar pelas sombras da noite feito criaturas que esperam as trevas escondidas atras dos black-outs das cortinas que decoram as casas aonde encontramos os suprimentos de nossas carencias....navegando pelas ruas desejando que esta ultima snuff of life nos faça esquecer this needle and the damage gone...mostrando nossos corpos jaziguos nas fotos de um jornal sensasionalista em uma manhã monótona qq...morreu de overdose na porta da oficina mecânica tentando se livrar do cano de escapamento....Jesus build my hot car.......i'm on fire!!!!burnin'n a personal hell!....feito gente tentando seduzir a todos sendo boazinha, subsequentemente inteligente sem barra to hangin' this long-felt want.....sentindo a pele arder feito batata quente dividida de mão em mão dos q se prevalençem do moralismo para venderem as facilidades da lei...u got loose this skin?...mães desesperadas vendendo a alma e a beleza que ainda resta de seus corpos para salvarem seus filhos dos serviços forçados das tinturarias que pressupoem a lavagem de suas almas e a libertação do q eles não querem libertar.....a lei jamais pode favorecer pervertidos......pedofilos e alpinistas adorados por fissurados cagões.......we don't wanna dance......when we lost ours souls in this word and sincerilly unbilive in a kingdom that promises commin'soon....ou em palavras nas bocas de pessoas que supoem estes sentimentos?????.......feitos cabelos rebeldes difarçados de gel fixador e atitudes parecidas com os sentimentos que dividimos.......sempre tem alguem para dividir a identificação de nossa dor.....sempre tem alguem dizendo que entende o que sentimos, pronto a espetar na nossa bunda o sossega leão para as dores que não queremos deixar de sentir.........feito barbeiro impodo-nos o corte de cabelo que não queremos, justificando a sua incapacidade de entender o que queremos de suas tesouras.....pressupondo-se a siccors hands maquiando nossa má aperencia...fazendo nossas cabeças diferentes de nossas necessidades de esquecimento.....incorporando-nos ao dia a dia de nossos opostos.....forçando-nos a afirmar o q jamais concordaremos, no estado normal de nossas crenças....stay out of it!...luv is not a just a kiss away...cum'n all'verybody we gonna have' good time.

say a simple-minded man:...i don't understanding the uncommon!...but i sense, that we need the love reing over all...when everyone need's a proof...(no ones loves without a reason!) or this is just another Naked Lunch?

domingo, outubro 30, 2011

Ecos



Só um garoto
que perdeu sua organização
uma pessoa jogada ao mundo
numa esperança patética.

O desejo na mão e,
um talvez pai
que de incerto
não se certifica!

Um garoto!
sorrindo para o estranho.
Pedaço de outro sonho
como vozes na cabeça.
e a ideia suícida de não amanhecer.

de outra maneira
haveria outra canção
igual a de ontem
bouquet de flores mortas Hoje!

Falava com complascência
sobre o que não conhecia
virava som num pincel
desenhando simbolos.

Icones aos olhos
depois ideogramas e,
finalmente, simbolos do dito;
pelo não dito!

de manhã ao acordar,
tentar se perdoar
pelo que comenteu e, pelo que não.
afinal não existe, perdão sem culpa!

ou, Palavra sem eco!

sexta-feira, outubro 28, 2011

Sobre Gavetas.

A ideia era outra nem sei se bem esta. mas, era!
dizia assim sobre falta de subjetividade
carências de ideias próprias,
buscando por ai ideias alheias.

a palavra seduzia os dedos à uma street dance,
sem prededentes...coisa de gringo,
novamente reinventada..
pagando, atestado p'ra lavousier!

De vez enquirida, a máquina rugia,
ouvia o chamado instintivo.
à uma unica verdade:
crescer, reproduzir e morrer,

Sei que, nas gavetas existem,
cuecas de elástico frouxo
e calcinhas de amantes,
que já me esqueceram.

Dizia-se dele na vanglória,
enlevado de ternura
Sou Lezado!
Mas quebro um galho!

quarta-feira, outubro 26, 2011

Pensando...




Nós somos muito complexos...
Às vezes rimos do que não nos faz sentido,
Em outras choramos o que não nos cabe.
E o mais interessante,
É que não valorizamos o que nos faz felizes!
Pessoas sabem o que é isso?
Falta de tempo de silenciarmos
O que dentro da boca não cabe,
O que os olhos teimam não observar
E o coração insiste em não querer sentir,

O que dentro da nossa alma se passa...



Aretha Franklin - Rocksteady

Gaveta

Eu tenho. Calcinhas que nunca usei porque comprei pra usar com ele. Roupas que nunca usei porque comprei pra sair com ele. Lençóis que nunca usei porque comprei pra dormir com ele. E ele, Nina, não está mais. Agora nem sei o que fazer com as não usadas peças. Me faltam fôlego e coragem pra esvaziar minha vida da presença ausente dele. E eu continuo com os guardados. As vestes e o sentimento intocados.

terça-feira, outubro 18, 2011

Word Kebab!....al aceto balsamico di modena.



não tenho palavras,
pra dizer o suficiente sobre o
linguajar das espécies perdidas,
muito menos aos vindiços.

Quem sabe das presentes,
possa dar alguns palpites,
fazer observações
esdrúxulas, suficentes,
para ninguém levar a sério!

Palavreados, carecente de frases.
Vazios, desgastados pelo tempo,
carregados de abditórios
e lembranças atemporais.

De novo a palavra se fala, amoral,
contradizendo a si mesma,
como se houvesse uma multidão
tagarelando na cabeça...
assuntos nem sempre congruentes.

sábado, outubro 15, 2011

Tamanho unico


Será que somos
bibelôs overdosados,
pairas de prateleira?
esperando carícias de espanador!

qualquer coisa
pode compor a dinâmica do verso,
nada, a da alma;
vagando entre erros
aprendendo acertos.
lavando-se do verbo,
como quem toma banho de cueca
sem sabonete!

fonética é pintura linguística
abuso diriam, versados
inconsequencias;...farão os que
batem com a língua nos dentes
sem a minima noção,
 palavrear... versar então(!?):

- nem pensar!

Há dias que são cinzas,
Há dias que são meio amarelados, sépias
relembranças passadas, século vinte....
ainda!..amanhã haverá arco-íris!?

sexta-feira de novo
e a esperança de salvação:
Persiste!

aos enganos, que:
Enganam-nos, digo:

- cocôs, navegam!

Too drunk to fuck!


As gavetas de Dalí



“O corpo humano neo-platônico, puro na época dos gregos, está hoje repleto de gavetas secretas que somente a psicanálise pode abrir”. Deparei-me com esses dizeres há algum tempo, registrados em um folheto que convidava profissionais e estudantes a participarem da XVII Jornada de Estudos Psicanalíticos. Contudo, a ilustração do folder, uma obra do pintor surrealista Salvador Dalí, puxou meus olhos empacados de suas órbitas.

A pintura de Dalí centrava-se na figura de uma mulher longilínea e oscilante. Apesar de disforme, seu corpo era incrivelmente sensual e sua cabeça quase alcançava o céu. Sua face parecia um esboço de argila, cor de terra, e os traços somente se insinuavam. O equilíbrio frágil só se dava graças a aparatos de sustentação ligados por espécies de forquilhas que a mantinham de pé. A tal “Dalila”, com licença do Dalí, estava coberta por um vestido azul transparente que deixava ver nuances do corpo. Os seios apontavam para o céu e a cintura quase se rompia de tão fina. Seus longos braços pareciam buscar um abraço e a ponta do queixo voltava-se para cima como se procurasse um pedaço de azul, ou quem sabe um objeto perdido. Ao longo de sua coxa carnuda abriam-se várias gavetas e logo abaixo de suas altivas glândulas mamárias, na altura do diafragma, saía uma gaveta maior. O curioso é que esses compartimentos não continham nada visível.

Certa vez escrevi sobre gavetas. Talvez por isso a figura tenha me impressionado tanto. Na ocasião, eu falava sobre datas, lembranças e gavetas na mente. Então, ao ver a intrigante mulher, percebi que cometia simplificações. Meus incipientes escritos não tinham nada de original. A Dalila que pensei era a de Sansão. Tinha caprichos demais; fazia suposições e ousava delimitar os sentimentos. Era reta, avessa às contradições. A “Dalila” de Dalí me mostrou que gavetas estão por toda parte, dilacerando epiderme, músculos e coração.

(As gavetas de Nina fizeram-me relembrar esse textinho aí, já escrito por 'mins' há algum tempo...)

sexta-feira, outubro 14, 2011

Gaveta de calcinhas



A cama estava convidativa, porém, precisava levantar e começar o dia. Enquanto passava toda a parafernália diária no rosto; filtro solar, creme para os olhos, corretivo para as olheiras, sombra, rímel e etc., tentava recordar o sonho da noite anterior, distraída esbarrou na gaveta que mantinha as calcinhas e sutiãs que vinha colecionando há tempos... Nunca as usara, eram para ele. Tinha de todos os modelos, tamanhos e estampas. Sabia que não teria como usá-las, mas gostava de saber que elas estavam ali. Havia dias em que a saudade apertava então as colocava e fingia que ele estava do outro lado do espelho admirando seu corpo e as peças delicadas, imaginando o que fariam depois... Lembrou que era sexta-feira e precisava se apressar, já passava das oito horas. Sonhara como sempre acordada.

Los Sebosos Postizos - Charles Jr. (com Jorge Ben)

O melhor há de vir!


]

quarta-feira, outubro 12, 2011

sexta-feira, setembro 30, 2011

Impossível



Falava assim e,
ninguém ouvia,
aí aprendi a falar
à ninguem.

aprendi como folha
quando vira chá,
enchendo a cabeça
na bomba de gás.

barbie de luxo!
acima do lixão,
no delirio da explosão.
Geysers in desguise!

sobre a liminar
serão cumpridas
as decisões e... as
medidas cabíveis.

Que nos caiba
o impossível.

domingo, setembro 25, 2011

Amém....



Tenho sim uma palavra
na boca às vezes duas
falando contradições
que sequer ouso descrever....

tenho sim capacidade
e, discernimento
organo_signifigativo
para me ordenar 

Impedir minha desordem,
tenho sim medo de não tê-las!
o que mais esperar,
se não esperar...

tenho nas pupilas o horror às digitais
espalhando gordura do dna 
....tenho pavor de lágrima
...tenho, sei lá quantos
medos significativos,

lembranças de quantas outroras
retornei do sonho,
quantas vezes almejei
o artificial horizonte.

vai, amém,
além ... daqui!
- Vai!


" ... As revoluções nunca fizeram nada além de se virarem contra elas mesmas
e se negarem na velocidade de sua rotação."

- Raoul Vaneigem.

sábado, setembro 24, 2011

Commends gOD! (Profanely Blessed)


arrancar o verbo da boca ,
atirá-lo na caixa craniana ,
para ressoar entre os ouvidos
as mazelas do contrato social. ....

colher o pão abençoado,
como quem cata, restos de comida
como se fossem : ......
- à sagrada, única refeição do dia !.

deixar de lado as crenças ;
quem defende : a família,
tradição/povo/The common rigth's,
da: - prevaricação corporativa! ....

.... louvar a brasilidade de dEUS ;
dos vermes , das bactérias que
se convulcionam. nas entranhas
desses meninos barrigudinhos. ...

à exaustão;
- Roll over Beethoven!

terça-feira, setembro 20, 2011

"Sonâmbulia"....



I

Qual é o lado bom?
o direito?, o esquerdo?
acho o meio melhor...ali,
se encontram os centros,
os rumos que nunca chegam.
Horizontes que trazem
respostas inesperadas
ao que nunca pensamos.

Qual é o pior lado?
Talvez como eu
você não queira revelar ou
não queira discursar sobre
o não queremos mostrar!
Do lado de cá os que olham de lá
vendo o que não conseguimos enxergar,
e o que enxergamos ao vê-los.
Obscuros, sem se esconderem em sombras..
às claras como assalto a luz do dia
e fugas madrugadas a dentro....
Um olho que não enxerga como
o de Horus mas que tambem vê.....
o que se revela.
De mansinho pela bruma que entrecorta a madrugada....
gotas de orvalhos embaçando a janela
para que não exerguemos o amanhecer que nos deslumbrará....
enquanto matamos a sede provocada pela apinéia.

O dia nasce no ventre da noite,
anima dulcíssima aos sonhos inocentes,
profícua aos conspiradores que revelam
segredos em sussuros armando tramas,
para entrecortarem o silêncio
ecoando conspirações,
e denominações que nos classificarão
calando-nos a boca deixando-nos de queixo caído
assistindo as tramas do horário nobre.

II

... O sono a levar-nos a lugares que nunca serão mapeados precisamente por chips...determinando o enredo da midia por mais de meses...dia a dia. A martelar nossa cabeça em meio a tempestades de propaganda anunciando sempre o melhor às nossas escolhas.

A noite, me fantasio para dizer palavras que me passaram durante o dia sem que precise de um arquivo para me lembrar dos desatinos....ou de formalizar em .doc estes desafinos... A palavra não me foge, ela se fixa como a revolta, o que não entendo e das injustiças as quais somos todos vitimas e executores, dos silêncios e gritos no escuro do quarto de dormir.....dores indeléveis que só se revelam aos sonhos.....buscando curar-se.

III

aonde quer que vamos sempre
encontramos num travesseiro
a pungência dos sonhos....a nos criar alentos.

domingo, setembro 18, 2011

Miséria (Love, Sex'n'Death extended version)


Talvez eu morra
de fome, conteúdo ou,
do diabo à quatro, talvez,
eu morra de novella.

eu quero microfonia;
mísera miséria,
eu quero microfonia!

Dinâmica
microfônica-televisiva,
a grande familia
e o dia que passou!

Miséria!

Cadê a microfonia
que não acontece?

- Miséria.

quinta-feira, setembro 15, 2011

White Limo


Muddy Waters - Got My Mojo Workin'

O dedo indica o nada!...(pupilar elektronik instantaneous polaroid mix! overview!)



I

Tenho me divertido, praticando boca suja, dificil de ouvir, fonética cheia que não diz nada senão. - À Kilos o que, aquilo é...palavras soltas sobre momentos segmentando a informação, crendo, criar estabeleceres emocionais....um cego atravessando o fogo amigo, esperando pelo fogo cruzado que virá....wearin' shades durante a madrugada por ter a visão obscurecida por saber d'um futuro tão "brilhante", que, para as estrelas só resta; maquinas digitais de E$26,68; de foco fixo!....a dead leter's office...Testemunhos de uma decadência, decadententemente anunciada desde os leões famintos nas arenas e os bacanais da antiguissíma cidade queimada por quem hoje...burn cd'n'dvds, V.7.0....amortecidas pelo zazen dos amortecedores a gás de pressão automatizada contra buracos jurássicos no retorno de casa!..&, anti buffer over run!...matando a pau, á 3x4!

II

- Think in me like you, flated at 72 dpi's..na compressão 19:1.jpg...ismo feito mochilismo, estrada vencida a dedo, descolando um prato feito por dia e grana para a hora da lan house......hehehe! diriam os enxarcados de vinho de camponês, dig't in a nigth train!......tanino a amarrar a lingua no céu da boca e o badalar seco da campainha ao fundo da garganta.....erotismos à parte, lovesex'n'death!..e mais todos os impropérios que o imaginar...imaginar!...desde, cropolália emocional, até renascer sem crer aonde se está e como recém nascido, ter a percepção do amor materno & o eco estranho da voz paterna, a atazanar estes ouvidos ainda novinhos.....tirando carona num vôo de phenix reacesa pela boca d'um vulcão latino amerikano. Falsa ruiva, euro-trash girl, de saco cheio de fazer dieta e se chapar de insulina...genérica.

III

O senhor da servidão são os interesses. Senão os realizamos buscamos saídas para os submetê-los, banalizando-os; criamos as condições para a aceitação objetiva...Fetiche espetacular....cheio de azia pedindo pepsamar na farmácia da fabrika.

- If you hear rumors 'bout me...
- take me down to the infirmary!

segunda-feira, setembro 12, 2011

De que vale?


Querido, não queira mais saber das minhas dores, sobre as palavras e guardados...

Penso que há muito acaminhar no meu lugar  repleto de significados, objetos perdidos, intenções e pré-requisitos. Da janela vejo a vida passar entre carros, pessoas em festas, buzinas impacientadas de sujeitos mal amados e descrentes das suas próprias idéias e do outro. Ah meu caro, onde estão as certezas absolutas em enunciados que vão dar em nada? O que imaginamos dar conta não chega nem a transbordar nos escritos, escritos teus, meus, o que importa? Somos sós! O que vale mais, o que atinge a alma escondida em prantos cifrados? Nem sempre nos permitimos e ao outro, um ingresso livre em nossos arquivos pessoais. Nem sempre queremos ter no mesmo prato os grãos que nos alimenta o corpo, que dirá os que alimentam os quereres, os desejos e as emoções...

Não, não há como descrever com belas palavras o absurdo do não sentir na letra o que a língua não profere...

A derradeira fala é aquela que se coloca em atos. Senão, fica o dito pelo aturdido. De que vale?

domingo, setembro 11, 2011

Vox1...preciosa ana.



Se um olho olha ao outro nem sempre vê a cumplicidade da unidade e, as vezes a dualidade da perfidia. estamos assim sempre esperando alguma coisa. o inatingível desvendar do segredo, meia crença na expectativa de um dia ter esperança e o ópio das loterias. seguimos assim sonhando nossos sonhos, desesperançando-nos com nossos pesadelos, que outra palavra diria senão dizer? que outra coisa seria o ser? Talvez amanhã de manhã esqueça de escovar os dentes e saia desvairado por aí pra viver a vida e testemunhar o inevitável outra vez...sei lá amanhã de manhã vou cordar na ressaca dos sonhos e custar a reestabeler a realidade imposta pelo estado de estar acordado...será, que o outro lado é tão etéreo que o inconsciente esquece suas fantasias e acorda de seu sonho secular? manifestando atitudes sequer sonhadas....sei lá o que virá amanhã de manhã . agora me parece tão distante....cruz credo me livre de todo o mal, amém....as desesperanças eu administro na dor! dia vinte marcharemos contra a corrupção se rirão de nós os que em suas mãos seguram a necessidade de contratos e administram a benevolência do tesouro publíco, ascento aquí ou alí mas, acentuado!.... correspondendo a fantasia do cocô matinal, ter memória anal em meio a tanto esquecimento. voltar a ser tão pequeno que não cabe julgamento ou racionalização.....visceral como ser criança e acreditar que amanhã será mais iluminado do que hoje....decorrencia banal de se estar presente.vivia eu no utero de minha mãe clamando para que ela salvasse minha alma, agora me honro com a sua misericórdia.....minha alma não clama mais por salvação, agora por compaixão!...os vicios da minha existencias destruirão minhas convicções que trasngrediram as minhas ideias...amanhã de manhã vou acordadar de saco cheio de sonhar a mesma coisa que sonho a anos, as minhas necesidades de realização idenpendente de ID estabelecida...sei lá se o despertador vai tocar na hora programada...será que vou ouvir, ou esquecer de vez?

sábado, setembro 10, 2011

AONDE DEIXEI OS COTONETES???! (everygoodboydeservesafavour!!!!).....



I don't need woman machines, i don´t need be a lover in a stand alone system...bye...bye!......cada vez q olho para o sol tenho uma reposta diferente....como uma aquarela falando de cores ao linho amarelado desta canvas, q foi um dia vazia pronta para as espectativas de um florescente amor, sem magoa, sem residuos, transparente como as cores das águas q fluem das nascentes, no final da primavera////de volta a casa cruzando montanhas, transpondo fronteiras, claramente ainda me lembro do rosto do ultimo encantamento, q frustou-se por não saber o q dizer....em meio a sentimentos e timidezes.....assustado, sem saber como lhe dar com as convulsões, desta emoção e deste encantamento melhor ficar calado e viver o momento de intensidade afetiva...like that boys playin'n a band!!!:-)....e, eu aqui desejando de novo ao seu fantasma boas vindas, tornando meus olhos de furta cor; azuis para declarar-lhe q por de tráz deles o amor se afirma como a vingança aos sonhos.....verdes acinzentados......desesperansoços......(it's fucking boring to death!).........certos de tudo ser igual como sempre foi; tal qual a decadencia pela quais se traduzem, sentimentos vitorianos impactados pela sexualidade pré moderna de freud, a leveza espiritual de jung e a pulsão{Celebração} humana em reich e a sexpol!!!!!ORGASMATRON!!!!....o amor vai se reafirmando a todo o instante como lagrimas arremessadas ao vento feito poeira em nossos desertos pessoais.....searchin' for desert cyties in the heart!......pouco me importa identidades c posso ser amplo como whitman e conter multidões..camaleoar-me sem ser o camaleão, larga-tixa; larga d'euh!.....:)/////......Qual eh a lingua certa para o nosso canto de maledicencia e desesperança?.....BE GREEN FOR A DAY?....o txt volta a normalidade, caps unlock , e, elas desistem-se de fazerem-se, as rainhas do momento.....a noite revela o escuro de nossas profundidades, escondendo a clarevidencia do dia...why we could be gaught beeing the King/Queen for a day???'till acting!!!!>>>><)HEY!FELLTHEGRAVITYPULLS!...beggin' for more!.....praying for explicitness 'n' understanding.....levamos o dia adiante descobrindo o q sempre escondemos de nossa compreenção..This growing pains...i get up, i get down!\\\\\enquanto vejo o sangue escorrer das feridas em minhas pernas e compulsivamemente aplico b-pantol para reidratar minhas tatuagens revelando minha paixão pelos corantes......& afins de outras realidades, descompensando minha natureza revelando-me, the other side of the nature.....above only skies.......if, we want, we melt the skies!!!!///searchin' eternitys, me perco no agora, me preencho de agoras e esqço d esqçer o passado, perdido em distâncias q me cercam e me levam a outro imaginario q conclama por poder, feito todos o q conheço.....fuck the midia, a realidade eh bem mais torta duh q a imaginamus[ ]s/[ ]/§§§§§........mood for a day.....nada q a reposição de {Zn} ñ Kure ou então steve howe......e os 5% deste nada cheio de letras, ñ traduza.......ñ or naum??????, negar eh mais dificil q afirmar..... lost in their eyes procurando por um motivo para revelar-lhes a indecência do conceito da morte e a tradução em pecados...... pagão...pagão de mico...pagão de adoração....pagão de pagação.....pagão pagando........pagão pagado.......to pagando pra ver.....////batlle ships soh ensinam a serh o somos, nada mais..... lembranças do ontem rindo da minha cara.....vc faz o seu ontem.....foi bom ou foi uma merda destilada das suas podreiras?????....em sete minutos as sombras renascerão e recomeçarei a viajar dentro desta cabçah na qual minha testa bate....the heart is not of paper.....human mistakes in this reality, and GOD'S bliss inside of our souls......percebo, hah esperança!////anjos copulam diante de meus olhos.....num ritual de celebração a vida, nas cores q tingem os amanheceres....de nossa temporária existencia....contradizendo a ideia de propriedade criada pela revolução industrial, o preservacionismo doentio do passado eh a inatingibilidade do futuro q eh como o, horizonte; moto perpetuo de nossa caminhada...tudo só justifica o presente e a sua ação convulsionaria nas emoções....spent your day away!!!!!!......we all be there in u......certos de que tudo pertence a todos....e de q a posse de nossas vidas é por nosso direito; ancestral.....antes de noz ela pertenceu a nossos antepassados q escolheram sacrificar-se por noz, em detrimento ao joy de vivre oferecido por Deus, q nos ofertou a natureza, e a luz q evidencia os vales q abrigam a inteligencia das montanhas; testemunhas de todas as eras, devemos tomar como nossa e transformar-la a exaustão d nossa criatividade imaginativa....profanely blessed!!!!......unblinded into the summer rain...feel...kiss the rain!!!!!!///////catch a train!!!!.....'n'.....wait for a minute........lost in the city!

Soh somos o q esparamos ser, porq sabemos o q somos,,,walking in a terrible way......respondendo as mesmas respostas através de seculos de distancias da essência pelo dogmatismo cristão, q nos promete a renascencia, livres do pecado e da curiosidade de q nos faz humanidade, entes espirituais sem lembrança e nenhuma justificativa sobre corpus cristi, desejos ou negações........o ser contra o ser...droping in the ocean......eating this crude fish, thinking that it is a real sushi.......sendo soh alienações e lembranças passageiras/////advindo de trips interplanetarias babacamente idealizadas por uma situação quimica...então eh a quimica a mãe de nossas idolatrias e de nossa perdição...../////regna madre dulcissíma!.......espera de nós nossa incapacidae e a indiferença de nosso olhar limitado pelo semáforos de nossa desconhecida psicogeografia e de neologismo do século passado, tomados como verdade, pela crueldade da rotina e pelo passar dos dias......feel the fake in a man!!!!!.......... lave roupa perca-se em outras rotinas esqueça de si mesmo.......mate-se de monotonia e silencios, lembre-se u keep your hell!\\\....fade.....in or out.......fade!!!!!...insert a silence and walk away........fade in descubra o q ainda não aprendeu....fade out, recolha-se para entender.....ou entregue-se ao ciume amoroso e caia de joelhos na kaia q deus dah!.......in this moment; i refuse my knees....o silencio fala por ecos e lembranças pasadas q desenham nossas mirações qdo fechamos os olhos tentando nos livrar da hiper atividade das insonias, crias de abstinencias de vicios adquiridos em ritos de transição, or in faded shamelessness...all because of us!......shake my thing, feel me coming!.....thank you for having pleasure with me/////de noite na cama fico pensando nos meus erros e na rigidez do meu figado, uma madeira q quase não alimenta meu fogo, ressecando minha agua, endurecendo meu metal, desequilibrio provocado por minha ignorancia alimentado por minha indiferença por mim mesmo.....how does u feel.....amo o dia inteiro, mulheres q jamais seduzirei, q jamais amarei e as q comecei fazendo tudo errado....a felicidade doi....mais me trespaça de ignorante alegria, sobre mim mesmo e as minhas incapacidades diante do berimbau....o amor segue por caminhos estranhos//////cursed to be falling in love...down in your knees again.....i continue refusing them, still walking for the town of the stables of native.......how to be lymphatic when we apologized?????....

domingo, setembro 04, 2011

Solilóquio Latino Colonialista...a hard monkey in your e-box!




A compaixão me toma quando olho nos olhos das ovelhas a certeza do matadouro....mais mesmo assim percebo, que elas servem ao pastor como se ele fosse a saida que tanto anseiam contra a inevitabilidade da lâmina do carrasco..."fools!"...assim são as pessoas quando pensam no poder que possuem....mais o que é o poder senão uma droga que se deve negar?.....para que se possa libertar e curar a dor e o sofrimento que a dependência desta abstração, cria em nossas entranhas....abrir mão do que podemos ser e deixar-se conquistar pelo benefício de um heroi de espada flemejante que demole os monstros dos nossos temores, certamente nos afastando da natureza que nos compõe...nossos sentimentos se transformam.....a gosmenta lixivia cósmica nos envolve alterando os sentimentos, que nem máquina desaterrada dando choque prá tudo quanto é lado....."its hard to get in holder"......


é como se o olho não firmasse-se mais ao horizonte e a mão exprimentasse um estranho sentimento corporal de repulsa a energia....bzzzzzzzzzzzz....."have u been in a eletric ladyland".....sons de eletro-saltos que estalam na acústica do choque entre a agressividade do passo e a solidez do solo que fecha o terra..."arriba!"......leques e fetiches medievais....de negra e escarlate fantasia..."cria cuervos y los irros de perro!".....chora latino américa pelo futuro que se desvendará para a tua geração, pelos grilhões que se sobrepõem a nossa cultura, com "yeahs!" e guitarras distorcidas..."drive trought to the other side"....fala tupy em inglês e pensa em português....unifica a língua num exquisito "esperanto", que fale qualquer palavra na boca dos "indios, cafusos e mulatos que dirão adeus ao ver-nos passar.....marimbondo vai si'mbora que aqui é a casa dos caiporas".

quarta-feira, agosto 31, 2011

HOELDERLIN - Nürnberg



O escavador de tesouros

De bolsa desprovida e coração sofrido,
Arrastava a minha triste vida
A maior das desditas é ser pobre
Riqueza é o soberano bem
Para acabar com meus padecimentos
À cata de um tesouro me enlevei
E tê-lo-ás, minha alma! assim clamando,
Com o meu próprio sangue o atestei

No lugar propício já chegado
Signos e mais signos mágicos tracei
Acendendo vivas labaredas,
Ossos e ervas mágicas reunindo
A invocação completei
Seguindo o rito, fiel ao roteiro.
Cavei o chão da terra fria,
Em busca do tesouro ambicionado
Feia era a noite, tempestuosa e negra.

Ao ressoar da meia-noite
Vi surgir do bojo da treva imensa
Uma luz resplandecente
Vindo em minha direção
Qual estrela alvinitente
Rasgando a escuridão.
Num abrir e fechar de olhos, num repente
Banhou-me fúlgido clarão
Brotando da taça refulgente
Que um moço de belo aspecto
Formoso, trazia na mão.

Vi que seus olhos brilhavam
Cheios de benevolência,
Sob uma coroa de flores
Vi que ele vinha com uma luz divina,
Transpor o círculo da força mágica.
E assim o fez, para depois,
Bondosamente, convidar-me para beber
Daquela taça.
Pensei comigo: não é possível
Que um moço tão carinhoso,
Radiando luz e tão formoso,
Dos domínios do mal seja um enviado.

- Ó meu amigo, bebe entusiasmo para sua vida
que só assim hás de chegar à compreensão
e assim fazendo, jamais aqui retornarás,
cheio de medo a estes lugares tortuosos,
para estas coisas de invocação!
Larga mão de escavar nesse vazio
Outra seja a tua forma de viver:
Durante o dia – trabalho.
Ao vir da noite – sossego, visitas e distrações
Árduas semanas de lutas, às vezes festa e alegria,
Tal seja, daqui por diante,
O teu rito de magia.

Goethe

Tinariwen, Assouf

Tema para um amanhecer quase imaginário.



Podemos sentir a manhã orvalhada a nos trazer do sonho, ver o dia clarear montanhas, avenidas e despertar, onibus, trens, botequins, bancas de jornais, prédios, vilas e padarias, pessoas ainda quase sonâmbulas, elevando-se, atravessando ruas e pedindo médias com pão e manteiga, atônitas com as noticias dos crimes da cidade, atrocidades classificadas como venda de carros e imóveis....cadaver esquecido na esquina enrolado para presente em fita crepe...orações ao sol e apartamentos com torneiras folheadas a ouro.

Atrasados no ponto de onibus muitos perdem suas caronas, e no trem dormem ao som dos tatás dos trilhos....como crianças pequeninas, alheias à mão que balança o berço....olhos úmidos limpam-se das remelas emocionais reveladas pelo sonhador; inconsciente...de dia denovo, a luz permeia as escuridões internas e parte para atividade correndo atrás de um onibus cheio de expectativas, competições e noites mal dormidas em desilusão ou folias amorosas....decepções mastigadas durante o dia em salas sem janelas, ambientadas pelo congelar do ar condicionado e o teclado, comunicação quase que corriqueira aos usuarios de janelas....que admiram-se com aquarios redondos que enlouquecem peixinhos japoneses, vermelhos e dourados...enquanto os ventos do sudoeste acariciam corpos que recolhem roupas e esfregam camisas, calças apagando as manchas do detergente e a sujeira não filtrada das maquinas cansadas e engatilhas pela pobreza à se automatizar.....pão com manteiga na chapa e o discurso sobre o colesterol e o entupimento das artérias....mais um dia pensado, como menos um dia, perdido em sua glória, cheio de erros de grafia, falta de virgulas e acentos...ledo engano.

Sol atrás de nuvens num horizonte escondido por prédios, elevadores, camas e alcovas temporárias, berço de meninos e meninas, presas faceis aos lezares da paixão....don't hate us...feel that morning...o cheiro das ruas e o amanhecer asfáltico, suburbano, impregnado de falsas maresias...e do molho que ainda não borbulhou, indicando o que irá preencher a marmita, com o que fará a energia do dia...quando nos sentar-mos no refeitório, para nossas restaurações... saboreando sobremesas padronizadas com muito açúcar e refrescos super gelados com sabor de drops de lima/limão....todos em um, um em todos, igualados pelo gosto que carece de tempero...apertando parafusos imaginários neste mundo moderno....esquecendo a cor da manhã que se perde pela tarde de calor desértico.

quinta-feira, agosto 25, 2011

A Estória do Sonho de Raimundo Nonato!



I

Celebrou, uma frase
de verdadeiro insigth,
raimundo nonato!

era uma manhã comum,
33 antes do bang.
...33AB(?):

-Sem compartilhamento, não;
há desenvolvimento!

aí!, se levantou,
deu uma mijada,
vomitou no box
...e voltou a dormir!

II

a véia me disse num sonho:
cê num é o estranho
é, o sonho que está mudando!

- bang ....véia!

aí ela disse:

- já faz tempo garoto!



domingo, agosto 21, 2011

How To Be Lymphatic When We Apologized?



Um colar de pérolas negras
adormecido sob um colo que abriga
a meia taça da sedução in a killer lingerie,
que 'tava, escondida no armario
de baixo de alguns esqueletos
de um alfarrábio que já é vulgar.

meias noites, velas & pavios azuis de o.b.
liberando a pagã festa infertil,
e padeceres em paraisos góthicos
na tonalidade tonal, lacuna coil,
sonhos de nigth wisher's, nigth children´s,
'nd the obsolets sins of a fake vampire...
ácaros carnívoros nos jantando no meio da madruga
suss_urrando zumbidos e palavras já ouvidas ao vento,
esquecidas pelos muzak's que tocam nos elevadores.

....desalentos redundantes
que já não mais nos impressionam!
indiferença ética a qualquer estética.

Olhar negro em meio a mechas lilazes
tingidas com os desejos da paixão
lusco fusco, love song's do outono relembradas
no meio desta primavera quase; verão.....
Corpos de deusas se debruçando,
como o de camponesas...
nos trigais das trevialidades trovadas....
vadias gozando, sem parar...
reinventando o tudo, num instante!

II

"Greensleeves was all my joy
Greensleeves was my delight,
Greensleeves was my heart of gold,
And who but my lady greensleeves."


III

Um dia pérolas, não valerão mais nada!
Proteínas, fibras & isotônicos
serão o motivo das riquezas,
mas não conseguiremos dizer, que 
nunca mais vai haver amor!
pode até vir a ter outros nomes
mas, vai sempre ter que ter
a "doidera" de ter tesão.!

Viver de Silício-Carbo-Hidratado (?!)
Gozo virtual.....energia
para os recarregadores de pilhas....
como os vendidos hoje em dia nos
camêlos que se encostam pelas,
esquinas desta babilônia binária.

quinta-feira, agosto 18, 2011

EMERSON LAKE & PALMER - The Sage






Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas.

Pablo Neruda