Radio A Toa

terça-feira, março 29, 2011

Nada de nada mais




Venho sentindo o nada como tal e qual,
Como limões em formato de corações.
Quem sabe assim, fica o nada menos azedo...
Ah, uma quimera! Vê?
Meu coração ainda está vermelho!
Quisera eu estar ciente,
que o nada de nada me consta de forma integral...
Sem caras e bocas, sem criar nada original.
Quem saberá da minha mente, que sente e mente,
para o meu arquivo inconsciente?
Talvez eu o queira genial
Nem mais o sei - Nem mais o desenhei...
De formas a formatar,
o que eu nem ainda imaginei.
Será o meu pensamento, uma rêverie?
Preciso estudar mais Bion,
aprender a tocar o mellotron,
a minha música interna,
Ouvir Claude Debussy...
DIN DON!
O que se passa?
Loucuras de versos soltos a parte...
Sim, eu ainda vivo dentro de cada pessoa,
que eu procuro como parte minha,
Como parte apaziguada da minha própria alma,
pequena parte...
Talvez, em sol maior...
Vá se saber!

3 comentários:

Keila Costa disse...

Lindo isso "Sim, eu ainda vivo dentro de cada pessoa que eu procuro como parte minha," ...Beijos querida Nina

Nina Blue disse...

Obrigada, Keila!

Senhora Loirinha Má disse...

Estou semi-tom
confusa
ferida
estirada feito uma corda de violino
e feito uma corda de violino
partida
sangrando
uma música cafona
que pouca coisa nessa vida
é feio como sofrer de amor acabado.