Radio A Toa

quinta-feira, julho 15, 2010

Perdão

Parei de repente
e de repente
rasgou meu ventre a culpa
de repente eu era a devedora
a vilã
o inconfesso nas conversas.

Percepção antagônica de mim mesma
e eu era a outra
roubando a tepidez da tarde
de novo o pior de mim
outro momento inconveniente
a mesma escura fresta.

Pensei
errar é humano a beça
racionalmente falando
de dentro pra fora
aquilo que verdadeiramente somos
o tal lado B.

Perdão.

Perdão.
e outras conjecturas.
Razão ou sensação?
Dor ou
aventura.
O ócio e o cio.
O ácido.

Perdão?

Perdão nada.
Ou você me ama como eu sou
ou pode ir pra puta que pariu.

3 comentários:

SIL MIZEL disse...

gostei do final dessa.
kisses!

Keila Costa disse...

Gostei! Beijos

Nina Blue disse...

Enfim, amamamos você, seja do jeito que é, seja como for, você é uma flor...Constante em nossos quereres.