Radio A Toa

sexta-feira, julho 23, 2010

Revisto

Há lugares que revisitamos e nos tomamos subitamente de desagrado, de sensação repetida, enquanto outros parecem sempre novos, ou velhos o suficiente para nos dar sensação de aconchego. Há lugares falados, repetidos ao extremo e ainda assim novos. Aquela rua desaguando na montanha, aqueles largos apinhados de carteados de chapéu e cãs, a lanchonete da esquina, o museu parque de águias de asas abertas no embalo de mais uma caçada e o sobrevôo do avião gigante; a família canina de jogos e brincadeiras à beira mar, o patinho mergulhão, as elegantes gaivotas e os urubus, de negritude rara. Uns chamam Catete, outros Aterro do Flamengo, uma linha divisória tênue no entre, de histórias Machadianas, de habitat nobre e até ditatorial, mas hoje, delicado, esquecido e lembrado. Um lugar no Rio de Janeiro para ficar, passar sem medo, revisitar.

7 comentários:

Nina Blue disse...

Acho que combinamos hoje. Lindo e obrigada,o Rio de janeiro agradece!

Keila Costa disse...

Eu já tinha escrito este há algum tempo Nina...aproveitei sua postagem, que gostei muito, para reeditar o meu! Adoro sua terra! Beijos

Sara_Evil disse...

Me alegro por suas almas universais e soberanas...meninas poderosas!

SIL MIZEL disse...

Hei!

o que é NFS??? não sei!

SIL MIZEL disse...

Keila,

esse lugar pra mim é a velha Fábrica da Pompéia...linda, mágica, minhas melhores lembranças...nova agora, que apareço lá com minhas filhas...

lindo texto!

bjs

SIL MIZEL disse...

DUKA

seria do caralho muito foda!!!
/
ou duka >>>do cacete que bom???

não dá pra entender ..

Sara, não é uma enquete .....
nem sobre gritos e sussuros...
/só que eu não entendi!

explicaê!!

Senhora Loirinha Má disse...

Duka = dukaralho tudo junto!

Quando eu nasci ai no Rio minha primeira residência oficial foi no Catete. Adoro.

Texto duka, Keila Costa.